Newsletter
Facebook Instagram Linked-in Whatsapp

Notícia

Ubrabio
A partir de  1º janeiro de 2019 os operadores aéreos nacionais deverão monitorar suas emissões de CO2 provenientes de voos internacionais
12/12/2018 14:28:04 RBQAV

A ANAC Regulamenta o monitoramento, o reporte e a verificação de dados de emissão de CO2 relativos ao transporte aéreo internacional. De acodo com a resolução no 496, de 28 de novembro de 2018, os operadores aéreos nacionais que tenham emissões de CO2 acima de 10 mil toneladas anuais pelo uso de aeronaves com peso de decolagem certificado acima de cinco mil e setecentos quilograma deverão monitorar suas emissões de CO2 provenientes de voos internacionais a partir de 1º de janeiro de 2019.

Os motores das aeronaves emitem altas concentrações dos chamados gases de efeito estufa (GEE), de tal modo que se estima que o setor contribua com aproximadamente 2% das emissões totais de CO2 na atmosfera, 1/3 desse valor atribuído exclusivamente à aviação internacional. Devido às projeções de crescimento da demanda do setor, esse valor deve aumentar em torno de 3 a 4% ao ano, caso ações de mitigação não sejam adotadas. O impacto global da aviação sobre o meio ambiente no que se refere especificamente às mudanças climáticas levou à OACI (Organização de Aviação Civil Internacional) a emitir uma série de recomendações aos Estados membros para a adoção de medidas para a redução das emissões do setor.

Acesse a resolução na completa (clique aqui).

 

 

Fonte: Agência Nacional de Aviação Civil

Bioquerosene

Bioquerosene é um combustível renovável formado por uma mistura de hidrocarbonetos, tanto lineares quanto cíclicos, com uma composição semelhante à do querosene de origem fóssil.