Newsletter
Facebook Instagram Linked-in Whatsapp

Notícia

Ubrabio
HVO desponta como tendência para produção de diesel renovável
17/03/2020 19:31:04 Ubrabio

Paralelamente ao aumento da participação de outras matérias-primas na produção do biodiesel, o gradual aumento da substituição de diesel por outros tipos de biocombustíveis de fontes renováveis é apontado como um fator importante para aumento da capacidade de produção e atendimento ao mercado.

Neste cenário, o chamado diesel verde obtido a partir do hidrotratamento de óleo vegetal (HVO, na sigla em inglês) desponta como a principal opção nesta corrida tecnológica.

“A Ubrabio já vem participando ativamente das discussões com a ANP que está debruçada na estruturação do diesel verde e seu uso combinado com o biodiesel. Esperamos já para março que a ANP coloque em consulta pública essa regulamentação”, explica Donizete Tokarski, superintendente da União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene (Ubrabio).

A nova resolução para especificação do HVO começou a ser elaborada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) em agosto de 2019. A agência entende que, com o RenovaBio, há uma tendência de entrada de novos biocombustíveis matriz energética brasileira.

Tokarski aposta na utilização do HVO para formar uma mistura de três combustíveis, com diesel de petróleo e biodiesel convencional. O crescimento do uso dessa mistura ternária pode ser potencializada pelo RenovaBio, segundo ele.

“A ideia é que o biodiesel seja usado sempre em forma de misturas, seja com o diesel fóssil ou com o diesel verde. Defendemos essa evolução gradual da mistura e a inserção do diesel verde na matriz de combustíveis, para garantir cada vez mais sustentabilidade”, explica.

Atualmente, os HVOs representam o terceiro maior biocombustível em volume produzido no mundo e sua produção está crescendo a uma taxa mais rápida do que as observadas nas indústrias de etanol e do biodiesel convencional (tecnicamente classificados como éster).

De acordo com a Empresa de Pequisa Energética (EPE), entre 2011 e 2018, a produção de éster cresceu 1,7% ao ano (a.a.) no mercado europeu, enquanto o HVO avançou a um ritmo de 37,1% a.a. O Brasil ainda não possui plantas para a produção do diesel verde.

Em uma nota técnica publicada esta semana, a EPE aborda oportunidades para a inserção do HVO no mercado nacional e indica que poderia ser uma solução para a instabilidade da mistura de biodiesel e diesel, ajudando a evitar a formação de depósitos em filtros e injetores de veículos pesados.

A discussão ganha força com a elevação do teor de biodiesel para 15% (B15), já programada para ocorrer até 2023.

“O uso do diesel verde, HVO, poderia contribuir para a melhoria da estabilidade da mistura que compõe o diesel B. Este biocombustível pode ser utilizado em motores diesel da frota atual sem quaisquer modificações, assim como em motores a serem comercializados a partir de 2023”, explicam os especialistas da EPE.

O diesel verde também contribui para a redução das emissões de gases de efeito estufa em cerca de 50%, em relação ao diesel fóssil, podendo atingir até 90%, segundo os produtores.

O que é o diesel verde?

Informações adaptadas da nota técnica Combustíveis renováveis para uso em motores do ciclo Diesel, publicada em março de 2020, pela EPE.

Em regra, biodiesel é todo combustível derivado de biomassa renovável, como a soja. O diesel verde é, portanto, um tipo de biodiesel, mas obtido a a partir de outros processos de fabricação, como o hidrotratamento de óleo vegetal, o HVO.

Explica a EPE: “diesel verde é um combustível renovável, formado por uma mistura de hidrocarbonetos com composição química semelhante à do combustível fóssil” ou drop in, isto é, são equivalentes aos combustíveis de petróleo.

Já o que é comumente chamado de biodiesel – esse que vai na mistura obrigatório –, são os ésteres metílicos. Para manter a convenção, neste texto, são chamados de biodiesel.

O diesel verde pode ser obtido por diferentes processos. São eles:

  • HVO: sigla em inglês para hidrotratamento de óleo vegetal: é o combustível obtido da hidrogenação de óleos, que pode ser de soja, de palma ou, apesar do nome, gordura animal. Por esse processo, podem também ser fabricados combustível para aviação, bionafta e biopropano.Apresenta maior estabilidade de armazenamento, melhores propriedades de fluxo a frio e pode ser usado em motores a diesel sem os limites ou modificações de mistura exigidos pelo éster de ácidos graxos [o biodiesel convencional]
  • Fischer-Tropsch: é uma tecnologia para a produção de combustíveis sintéticos, amplamente utilizada na Alemanha, durante a Segunda Guerra Mundial, sendo posteriormente aprimorada. Envolve a síntese química a partir de matérias-primas renováveis ou não, como biomassa (biomass-to-liquid, BTL), carvão (coal-to-liquid, CTL) e gás natural (gas-to-liquid, GTL). Para ser considerado diesel verde, é claro, precisa ser produzido a partir de biomassa renovável.
  • Fermentação: os processos fermentativos convertem material orgânico em diversos produtos, incluindo similares aos derivados de petróleo. Um exemplo é o uso da levedura Saccharomyces cerevisiae, utilizada para transformar o caldo de cana em etanol, durante o processo de fermentação nas usinas. Possibilita o uso desse microrganismo para produção de uma substância chamada farneseno, hidrocarboneto similar ao diesel – também é chamado de diesel de cana.
  • Oligomerização de álcool etílico ou isobutílico: para o caso dos biocombustíveis, o exemplo de oligomerização é a formação de combustíveis renováveis, de estrutura similar aos fósseis, a partir de álcool de cadeia curta. Esta rota é conhecida comercialmente como ATJ (alcohol to jet), usada na produção de diesel e querosene de aviação renováveis.

Fonte: epbr

Bioquerosene

Bioquerosene é um combustível renovável formado por uma mistura de hidrocarbonetos, tanto lineares quanto cíclicos, com uma composição semelhante à do querosene de origem fóssil.